POLÍTICA NUCLEAR BRASILEIRA: O URANIO É NOSSO?

Por Rubens Barbosa*

Com uma visão de médio e longo prazo, o Brasil deveria rever sua politica em relação à pesquisa, prospecção e lavra do urânio.

O desastre com a usina nuclear de Fukushima no Japão em 2011 determinou o fechamento de usinas na Alemanha e no Japão e ocasionou, em muitos países, a desaceleração de planos para a construção de novas usinas atômicas para geração de energia. Com isso reduziu a demanda do urânio e do plutônio, combustíveis para essas centrais.

O mercado internacional para o urânio vem num movimento de alta, cotado ao redor de 65 dólares por quilo, ainda 60% abaixo do pico alcançado em 2011. A situação mudou. Enquanto naquela época os contratos spot eram reduzidos, agora, o custo de produção aumentou e os contratos a longo prazo estão expirando (existem poucos para além de 2020).  Segundo opinião de especialistas internacionais, a tendência de longo prazo parece clara: a demanda global deve aumentar perto de 45% ate 2025. A China tem 19 reatores nucleares em construção e mais (mais…)

PANORAMA BRASIL-RUSSIA – Boletim no. 01

PANORAMA BRASIL-RUSSIA – Embaixada do Brasil em Moscou – Boletim no. 01 –  Fevereiro 2019

É com grande satisfação que apresento o primeiro número do Panorama Brasil-Rússia, boletim mensal de notícias, em formato digital e conciso, destinado a divulgar as principais atividades da Embaixada do Brasil em Moscou e a veicular informações sobre as distintas vertentes das relações entre o Brasil e a Rússia.    Espero que a iniciativa contribua para divulgar, ao público interessado no Brasil e na Rússia, a variedade e a riqueza das relações entre os dois países, bem como as diversas oportunidades que se abrem para a cooperação entre as duas sociedades.  São nossos desejos e expectativa que o Panorama sirva não apenas para informar, mas sobretudo para aproximar todos aqueles que se interessam e trabalham pelo aprofundamento e a ampliação das relações entre Brasil e Rússia, razão pela qual quaisquer sugestões, indagações e ideias serão sempre bem-vindas.

Boa leitura!
Tovar da Silva Nunes
Embaixador do Brasil em Moscou

ALIMENTOS E GLOBALIZAÇÃO NO IMPÉRIO BRITÂNCIO

Jornal “Folha de São Paulo”, Caderno Mercado, 02/02/2019

Marcos Sawaya Jank (*)

Busca por comida criou império militar, comercial e gerador de migrações

O Brexit, processo que levou o Reino Unido a sair da União Europeia, transformou-se numa decisão caótica e autodestrutiva para os ingleses. O Reino Unido se isola sem saber para onde vai. Movimentos anti-integração e anti-imigração ganham força nos EUA e na Europa. Medidas protecionistas tendem a reduzir ou a “administrar” o comércio internacional, os órgãos e acordos multilaterais estão sendo repensados, surgem guerras comerciais, tecnológicas e, agora, perseguições pontuais a empresas estrangeiras. Em suma, o mundo parece querer frear o processo de globalização.

Mas a história é feita de ciclos que vão e vem, de forma pendular. Curiosamente a mesma nação que hoje não sabe o que fazer com o Brexit, conseguiu, há 200 anos, tomar medidas radicais que formataram o mundo moderno, produzindo o primeiro movimento de globalização em escala mundial.

Esse é o tema de “The Hungry Empire: How Britain’s Quest for Food Shaped the Modern World” (O Império esfomeado: como a busca dos britânicos por alimentos formatou o mundo moderno), escrito pela professora Lizzie Collingham em 2017. A obra defende a tese de que a força motriz do poderoso Império Britânico no século 19 foi a busca por comida, que (mais…)

PRIORIDADES DA POLÍTICA EXTERNA PARA OS PRIMEIROS CEM DIAS

Por Rubens Barbosa* 

Segundo o texto que teria sido apresentado em reunião ministerial, as propostas, feitas pelo Ministro Ernesto Araújo, para os primeiros cem dias do governo Bolsonaro, foram:

1) visita do presidente Bolsonaro aos EUA e lançamento das bases de Acordo de Parceria Brasil-EUA ou instrumento similar, que incluirá o lançamento de um acordo comercial, bem como entendimentos em segurança, tecnologia e defesa;

2) visita do presidente Bolsonaro a Israel com a criação de parcerias em segurança, tecnologia e defesa;

3) inicio do processo e revisão do Mercosul para aperfeiçoamento de instrumentos favoráveis ao (mais…)