Por Rubens Barbosa*

Durante todo o ano de 2018, a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) promoveu debates sobre a formulação de uma política nacional para o trigo, envolvendo governo, agências reguladoras, organismos internacionais, academia, sindicatos, entidades empresariais, parceiros potenciais e mídia. Foram ouvidos diferentes elos da cadeia produtiva, representando a produção, cooperativas, indústria, pesquisa, cerealistas, insumos, tradings e entidades representativas do segmento do trigo, com o objetivo de preparar uma proposta ao governo brasileiro que torne o Brasil cada vez mais competitivo no negócio trigo/farinha/derivados.

A indústria moageira do Brasil é o elo entre o campo e a indústria de transformação. E pela primeira vez, foi elaborada uma proposta de Política Nacional do Trigo. Ela chega levando em conta, em especial, as seguintes condições internas:

  • Produção estagnada nas regiões tradicionais, plantio em novas áreas (norte do cerrado, Bahia, São Paulo e Minas Gerais, Mato Grosso do Sul);
  • Consumo estagnado de farinha, que, com a recuperação da economia, tenderá a crescer;
  • Viabilização de novas variedades de sementes para novos produtos (a exemplo dos EUA);
  • Desenvolvimento de variedades resistentes ao fungo Brusone e Giberela, pela Embrapa;
  • Ênfase no aumento do fluxo de comércio exterior, sobretudo, no médio e longo prazos e no aumento das exportações e na redução da dependência externa.

Os alimentos à base de trigo, como pães, macarrão, biscoitos e bolos, estão presentes em 100% dos lares brasileiros e são fundamentais para a composição da cesta básica da população.  A cadeia produtiva dosetor gerou um volume de renda (PIB) para a sociedade brasileira de R$ 25,3 bilhões, e nos últimos 12 meses o número de postos de trabalho na agroindústria apresentou um crescimento de 2.42% (cerca de mais 350 mil empregos) em relação ao período anterior. Isso nos mostra que as questões que envolvem o cereal, como inovação, importação, consumo, produção, segurança alimentar e sustentabilidade, por exemplo, merecem ser tratadas de forma diferente e prioritária e que precisamos aproveitar esse momento de mudança no cenário político nacional para propor caminhos que gerem valor para o setor e para toda a sociedade.

O trigo é o único grão em que a produção nacional não é suficiente para o abastecimento doméstico. Em 2018, os moinhos brasileiros processaram 12,1 milhões de tons de trigo, dos quais cerca de 55% é importado. A importação do produto está concentrada (aproximadamente 87%) no fornecimento da Argentina. EUA, Paraguai, Canadá, Uruguai e mais recentemente Rússia completam o quadro de exportadores. O Brasil exporta pequena quantidade do produtos (de baixa qualidade) para alguns mercados asiáticos.  Do ponto de vista da indústria, quanto mais oferta de trigo o mercado puder absorver, melhor. A competição deve ser estimulada.

O principal entrave para o crescimento do setor é a falta de políticas estratégicas para o desenvolvimento da cadeia produtiva do trigo, que se inicia com o fornecimento de insumos, passa pela produção agrícola nacional, pelos moinhos e pela indústria de transformação.

O objetivo central da proposta de uma Política Nacional do Trigo é o de aumentar a produção interna, reduzir a dependência do Brasil em área tão estratégica, possibilitar uma variedade maior de sementes, sempre preservando o livre mercado. A eventual auto suficiência não deve ser utilizada para fechamento do mercado, mas sim um fator para estimular a competição interna e aumentar a exportação do produto para o mercado internacional,

As sugestões apresentadas seguem uma linha moderna sintonizada com as mudanças que os mercados nacional e internacional vem sofrendo. Tem foco na inovação, no crescimento da competitividade das empresas brasileiras e na qualidade dos produtos entregues a um consumidor cada vez mais exigente.

O documento está baseado em eixos estratégicos (ambiental legal, produção, ambiente de negócios, revisão dos incentivos fiscais, comércio internacional, logística e infraestrutura), discutidos e aprovados nas duas últimas edições (2017 e 2018) do Congresso Internacional do Trigo, promovido pela Abitrigo. Os referidos eixos são acompanhados de sugestões de políticas e medidas concretas discutidas nos encontros com a cadeia produtiva e órgãos técnicos, como a Embrapa.

Em um cenário econômico onde os investimentos do setor público e privado diminuem em decorrência do alto déficit nas contas públicas e do baixo crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) nos últimos anos, aliado ao alto nível de desemprego, torna-se fundamental o desenvolvimento de ações que tragam um crescimento sustentável de nosso mercado e proponham políticas estratégicas que valorizem nossos produtos e fortaleçam a agroindústria.

A proposta foi encaminhada oficialmente ao Ministério da Agricultura.  Recentemente, reuni-me com a ministra da agricultura Teresa Cristina  para examinar os principais objetivos e medidas em cada um dos eixos prioritários. A iniciativa da ABITRIGO foi bem recebida. A ministra informou que os setores técnicos do ministério da Agricultura irão analisar o documento e disse estar entusiasmada com a perspectiva do aumento da produção domestica, com a diversificação da área plantada e da variedade de sementes, a médio prazo, com a geração de emprego e aumento da renda no campo.

Caso a proposta venha a ser efetivamente implantada e uma política nacional do trigo venha a ser executada, o Brasil dará um grande passo para a modernização do setor e a segurança dos produtores, da indústria e de toda a cadeia produtiva.

 

Rubens Barbosa, presidente da ABITRIGO